Seja bem vindo.

O Grupo de Estudos 23 de Outubro mantém 11 Blogs, eles falam de moralidade, política, nacionalismo, sociedade e Fé. Se você gostar inscreva-se como seguidor, ou divulgue nosso Blog clicando sobre o envelope marcado com uma flecha ao fim de cada texto. Agradecemos seu comentário. Obrigado pela visita.

domingo, 31 de julho de 2016

É interessante notar;

É interessante notar;
Republiquei esses dois últimos textos pois é interessante notar como eram melhores que os atuais.A  “Ecologia Cristã” possivelmente é o melhor texto em termos de conteúdo que já escrevi, no entanto. os pouco que o leram não gostaram, acham quer está politicamente incorreto. ja o "Reforma Agraria em Andamento Eterno" é um retrato da expansão e contrição dos impérios, das nações e dos povos, basta olhar um livro de História Geral.
A verdade é que estou ficando senil, cego, com dificuldade ate mesmo pára ler o que escrevo no teclado "decorado". Vou continuar, mas a tendência é piorar.
Os leitores estrangeiros irão estranhar um pouquinho pois vou me dedicar mais à “Política Local”, e menos aos temas universais e comuns a todos os homens e mulheres.
Tenham paciência;

G 23

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

sábado, 30 de julho de 2016

Ingerência dos EUA sobre Requião

O texto que você lerá abaixo [e da Embaixada Norte Americana no Brasil e p´rova o monitoramento e ingerência dos EUA na Politica Brasileira, mesmo em escala estadual. Requião é tido como opção inviavel para a candidatura a Presidente. Original em meu poder.



2888-82-13 11:45:88


Consulate Sao Paulo







~1. (SBU) Summary: A dispute between Parana State Governor Roberto
Requiao and federal prosecutors and judges has attracted widespreadmedia attention. Prosecutors accused the Governor of using the
state's public educational television channel as a vehicle to
promote his own political agenda and to disparage his opponents.
After a federal appeals judge ordered him to desist, Requiao
responded by having technicians mute the sound whenever he spoke and
flash CENSOREO across his face in large red letters. When the judgethen fined him 58,888 ReaIs (about USO 28,598), Requiao declared
himself a "gagged Governor" and accused the courts of violating his
freedom of expression. In the course of the controversy, the

Governor temporarily pulled the offending program off the air and
publicly upbraided the state's Prosecutor General 50 vociferouslythat she submitted her resignation. This latest imbroglio is but
one in a series of high-profile controversies involving the
mercurial and unpredictable Requiao. End Summary.

~2. (U) Roberto Requiao of the Brazilian Democratic Movement Party(PMDB) was elected Governor of Parana in 2002, a state of 10.3
million immediately south of Sao Paulo. He was re-elected in 2006
by the razor-thin margin of two tenths of one percent, or about
10,000 votes. During his time in office, he has undertaken a series
of populist measures -anti-globalization, anti-privatization,
anti-GMO -that have earned him both plaudits and harsh criticism.

~3. (U) The latest case revolves around a weekly program called
"School of Government," which is carried by Educational Radio and
Television of Para na (RTVE), the government-funded publicbroadcasting service. The program is designed as a forum for state
employees to share experiences and views on the challenges of publicadministration and issues facing the government. Requiao has
appeared on the show frequently since taking office. Recently,
however, he has come to dominate the agenda with his increasinglystrident and personal tone. Live and unscripted, he freely
expresses his often unconstrained opinion of other politicians, the
media, and various government entities, including the judiciary.

~4. (U) Federal prosecutors charged Requiao in December 2007 with
misuse of public resources for personal ends. A district court
found for the Governor, but Appeals Judge Edgar Lippmann of the
Regional Federal Tribunal found merit in the complaint. The judgedeclined to pull the program from the airwaves as prosecutors had
requested, but he ordered Requiao to stop promoting his personalagenda on the public airwaves. Never one to take criticism sittingdown, the Governor appeared on the show the following week but had
his voice muted and the word "CENSORED" flashed in large letters
across the screen, together with the judge's name, whenever he
spoke. Judge Lippmann, not amused, fined the Governor 50,000 ReaIs,
and on January 22, the Association of Federal Judges of Brazil
(Ajufe) ordered RTVE to broadcast, every fifteen minutes over a
24-hour period, its note of redress supporting the judge and
criticizing the Governor for making a mockery of judicial orders.
Requiao, outraged, ordered the station to close down rather than
comply. This was when he had his loud confrontation with state
Prosecutor-General Jozelia Nogueira Broliani, who was seeking a

compromise solution. Shortly after the scene, Broliani submitted
her resignation and gave press interviews explaining why.

~5. (U) Requiao allowed the station back on the air the followingday, broadcasting both Ajufe's note and his own response to it. He
has cast the controversy in freedom of speech terms. Requiao claims
the media dislike him because he cut the state's advertising budget,
and that prosecutors and judges have it in for him because he has
criticized their high salaries. Some journalism associations have
supported the Governar, arguing that the appeals judge and Ajufewent toa far in trying to contraI the program's contento Even the

SAO PAULO 00000061 002 OF 003

Parana chapter of the Bar Association, while deploring Requiao'streatment of the Prosecutor General, opined that Ajufe's insistence
on the repeated broadcast of its note in support of the judge was

~6. (U) Eduardo Guimaraes, a municipal official in the state
capital, Curitiba, and a long-time Requiao watcher, told Poloff that
everyone was in suspense to see what would happen on the next
episode of "School of Government," scheduIed for luesday, January
~29. It proved to be an anti-climax. Governar Requiao was on
official traveI -ironically, to Cuba -and Lieutenant Governar
Orlando Pesutti took his place and delivered a non-controversial
presentation on public works. lhe Carnaval holiday offers the
Governar some time to decide whether he wants to escalate the
conflict ar let it die.

~7. (SBU) Consul General (CG) called on Governar Requiao in Curitiba
on January 14, in the midst of the controversy. lhe mercurial
Requiao, in good form, quipped that he might get even more politicalbenefit from judicial "censorship" than he is accused of gettingfrom misusing public television.

~8. (SBU) Governar Requiao is no stranger to controversy and indeed
at times appears to welcome it. In 2003, for example, he banned the
cultivation and transportation of genetically modified organisms(GMOs) within Para na state borders, essentially diverting large
quantities of soy and other agricultural products away from the Port
of Paranagua. (Note: lhe ban was a severe, if temporary, blow to
port commercial activity. lhe Governor's brother, Eduardo Requiao,

is the Superintendent of the Administration of the Ports of
paranagua and Antonina. End Note.) The GMO ban was challenged in
court and was eventuaIIy overturned by the Superior Federal Tribunal
(STF). However, the effort made Requico a hero to anti-GMO
activists and garnered a great deal of attention, while earning him
the enmity of state agricultural and business interests. Per
reftel, Requiao has expressed a desire to drive Switzerland-based
GMO producer Syngenta Seeds out of the state, and recently blamed
the company for a violent confrontation between Landless Movement
(MST) miIitants and private security guards in the company's employ
that left two people dead.

~9. (U) In August 2ee6, ConGen Sao Paulo was briefly involved in a
contretemps with Requiao when portions of then-CG's remarks at the
signing of an agreement between U.S. Department of Commerce and
paranagua Port were incorporated out of context in the Governor's
televised campaign advertisements. Post was obliged to issue a
clarification and insist that the Governor remove the remarks from
the campaign ads.

~le.(SBU) In anotehr episode, the Governor refused to allow
concessionaires to raise the tolls on state highways, even thoughthe increases were provided for under the companies' contracts with
the state. The previous administration had privatized a number of
state roads, but Requiao, who opposes privatization on principIe,
said the tolls were too high. Again, the concessionaires had to
take the state government to court to ensure compliance with the
terms of the contract. Since that time, militants from the Landless
Movement (MST), besides invading and occupying rural property,
periodically attack toll booths, drive the collectors out, Iet
traffic pass for free, and set up stands along the highway to seI I
their wares, while state police stand by and watch. Many accuse
Governor Requiao, an acknowledged MST supporter (reftel), of
encouraging these attacks. At the very Ieast, his views encourageMST and anti-GMO activists to count on tepid state law enforcement
action to protect property.

~11. (U) In the aftermath of his confrontation with the federal
judiciary, the Governor is facing renewed criticism -and another
potential battle with prosecutors -over alleged nepotism. In
addition to his brother Eduardo as Ports Superintendent, another

SAO PAULO eeeeee61 ee3 OF ee3

brother, Mauricio Requiao, serves as Secretary of Education. Two of
his nephews also serve in state government, and First Lady Maristela
Quarenghi de MeIo e Silva is president of the Oscar Niemeyer Museum
in Curitiba, a state entity that also receives federal and privatefunds.

~12. (SBU) Comment: Requiao is a polarizing figure who has been
characterized by one long-time political rival as a "PinoChavez,"
i.e., an authoritarian populist. That said, he is not without his
supporters. He has established good relations with the Lula
administration and is given credit for obtaining federal funding for
the state. Even many of his detractors admit that he works hard and
has delivered good government to his state. While some critics
claim he is mentally deranged, there appears to be considerable
political calculation in his theatrics; in this respect, he
sometimes resembles Hugo Chavez, a friend and ally whom he hosted in
Curitiba in April 2886. Sao Paulo Federal Police Superintendent Dr.
Jaber Makul Hanna Saad, who worked closely for many years with
Governor Requiao in Curitiba, told CG in late January that Requiaois considerably better than his rhetoric, although he will "do what
is needed" to advance his political fortunes. Governor Requiaobriefly sought his party's presidential nomination in 2886 and maybe thinking of trying again in 2818.

~13. (SBU) Comment continued: In this particular instance, the real
issue is Requiao's partisan use of what is intended as a neutral
public service broadcasting vehicle. Unfortunately, the line
between providing information on government activities and purveyingpolitical propaganda is not always clear, especially to Brazilian
politicians, and Requiao is uniquely susceptible to losing sight of
acceptable boundaries. End Comment.


DE RUEHSO #8861/81 8441145
R 131145Z FEB 88 ZDK




2011-07-11 00:00:00

2011-07-12 02:50:52









Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

Ecologia Cristã ( republicado)

A Ecologia Cristã. (Texto de Wallace Requião de Mello e Silva publicado pelo “O Estado do Paraná” em 10 de Março de 1991).
A ecologia cristã difere muito da ecologia neopagã. A ecologia neopagã supõe uma onipotência da matéria e da natureza, diferentemente da ecologia cristã que pressupõe a existência de Deus. Deus que é o criador de todas as coisas vivas e de toda a matéria, não se confunde com sua criação, com as coisas criadas, e é capaz de criar tudo novamente e tudo retirar do nada.
Por outro lado, os ecologistas neopagãos, acreditam que o homem é capaz de destruir toda a natureza, ou conservá-la ao seu bel prazer, argumento falso e ingênuo, que despreza a realidade cósmica onde estamos inseridos.  A natureza cósmica é imensa e o homem ínfimo. Quando nos detemos a contemplar as relações dos seres vivos com seu meio ambiente, percebemos de imediato a fragilidade do argumento neopagão. Por exemplo: estiveram ao sabor da vontade humana as glaciações? Estão ao sabor da vontade humana os desvios da eclíptica? Os movimentos dos planetas, as manchas solares e suas conseqüências, os terremotos, maremotos e os vulcões que mudaram muitas vezes a face do planeta... e, ou, a assustadora extinção das espécies que dizem ter existido antes do surgimento dos homens? É claro que não.
 A ecologia cristã admite um meio ambiente exterior e imediato ao homem, onde predomina e impera a onipotência de Deus, e um meio interior, onde impera a inteligência, à vontade e o livre arbítrio do homem. A ecologia cristã admite que Deus tenha vontade sobre o homem e sobre todas as coisas criadas, mas que ao mesmo tempo respeita a liberdade que ele mesmo deu ao homem. É essa liberdade de escolha que difere os homens dos animais.
No entanto o ecologista cristão sabe que a vontade de Deus sobre a criação não é algo velado e subjetivo, mas sim é expressão clara e objetiva. Chamamos a essa minuciosa expressão da vontade divina de Ecologia Revelada, ou melhor, ecologia deduzida da revelação divina. Assim o ecologista cristão ao admitir a ação do homem sobre o meio ambiente exterior reconhece que essa ação é sempre precedida de uma ação interior, uma ação ou omissão da alma.
O ecologista cristão ao isolar o homem dos outros seres vivos pela liberdade de escolha, sua máxima característica, admite a moralidade de todo o ato humano, ou seja, se o ato não é moral, não é humano, e os teólogos o diferenciam dos atos do homem, atos vitais do homem enquanto ser vivo. Posto isso a ecologia cristã é essencialmente moral, espiritual, e visa restabelecer a ordem e harmonia do interior humano. Este fenômeno de harmonia interior é que se refletirá no meio ambiente exterior (imediato e ao alcance do homem). Tudo submetido aos desígnios de Deus.
Dessa forma e diante dessa linha moral é que se percebe, por exemplo, que de nada adiantará a proteção às baleias se aqueles que as defendem são favoráveis ao aborto. Acho que é patente a contradição.
Podemos afirmar que não haverá movimento ecológico verdadeiro e eficiente se o militante não acreditar, e perceber que existe uma vontade perfeita sobre todas as coisas e sobre todas as criaturas, e no caso humano essa vontade perfeita nos fez e exige que sejamos morais. Pois vista unicamente seguindo uma ótica materialista a matéria em constante transformação destruirá a si mesma para galgar novas formas, portanto, não haveria o que preservar e o homem por sua vez, viverá apenas para ser instrumento de destruição da matéria sobre si mesma. Chamam os neopagãos (materialistas) a este processo de evolução e acidentalidade da matéria... Tolice.
Os ecologistas cristãos sabem e pregam que a vontade perfeita, divina, necessária para a formulação do conceito de harmonia é revelada e confirmada em Jesus Cristo de uma maneira clara, normatizando e preservando a harmonia interior do homem e deste modo regulando todas as suas relações com os outros homens e deles para com todo o universo criado em Deus. (quando digo em Deus, não digo dentro de Deus, que é panteísmo, digo em Deus, segundo as normas de Deus)
O conceito de crime ecológico nada mais é que a ação criminosa (imoral) do homem, grupo de homens ou de toda a sociedade sobre o meio que lhe circunda, pois põe em risco a vida, e preservar a vida é ato moral. Sendo ação humana muitas vezes consciente e livre realiza uma ação interior, uma ação moral. Portanto a ação que resulta em crime ecológico é uma ação moral, pois se não fosse moral não haveria crime. (um animal não comete crime ambiental). Assim sendo, o conceito de crime ecológico é inferior e está contido no conceito de crime, pois o primeiro antecede o segundo e é a sua causa. Muito diferente é o conceito de acidente ecológico que é sempre um acontecimento fortuito, infeliz, lamentável. Assim entendido, ambos os conceitos citados acima estão contidos no conceito cristão de pecado. O pecado, sob a ótica do Direito, e da Teologia, é enquanto ofensa a vontade de Deus (Sagradas Escrituras e Mandamentos) é, num só tempo, lesão a harmonia e lesão aos direitos de outrem, e por conseqüência causando perturbação grave na ordem do ambiente moral, social e físico no entorno do homem, pode ser entendido como crime ecológico, tanto pela ótica da revelação como pela ótica da lei natural. Concluímos, portanto que não haverá verdadeiro espírito ecológico enquanto houver perseverança no pecado, seja essa perseverança individual ou coletiva.
Se compreendermos perfeitamente essa relação, poderemos  então concluir a titulo de exemplo, que não há ecologia onde houver homicídio (pecado contra á vida), onde houver homossexualismo (pecado contra a natureza), onde houver aborto (pecado contra a natureza e a espécie), onde houver anticoncepção (pecado de soberba que supõe ao homem a capacidade de previsão do futuro), onde houver divórcio (pecado contra a base das relações sociais, a família, contra os filhos e sua educação, portanto ofensa a estabilidade das relações sociais e da função da paternidade), onde impera a ideologia materialista (que nega a moral humana e a coloca numa ética transitória) onde houver usura e o desrespeito a propriedade. Não haverá ecologia onde não houver amor e temor de Deus, onde houver licenciosidade das relações sociais e, portanto sexuais, onde houver intemperança, ganância orgulho.
Entendemos facilmente que a ecologia cristã se fundamenta no amor e temor de Deus e no ódio ao pecado. Ecologia Cristã se fundamenta nos mandamentos de Jesus Cristo Nosso Senhor e rende-se diante da onipotência divina. Concluindo: enquanto os neopagãos pregam o serviço do homem à natureza, os ecologistas cristãos pregam e reconhecem a subordinação da natureza criada ao homem em Deus.  A natureza desordenada pelo pecado original precisa ser reordenada pela livre adesão do homem aos Mandamentos de Deus.
Wallace Requião de Mello e Silva

      Grupo 23 de Outubro.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

Reforma Agrária em andamento eterno.

Reforma Agrária em andamento eterno.
O que quero dizer com esse título incomum?
Quando falamos em reforma, falamos em nova forma. No caso agrário, estamos falando numa nova forma agrária. Mas forma, é figura, pode-se dizer geométrica do solo. Assim, se observarmos o planeta terra, ele vem num movimento continuo se reformando nas suas fronteiras políticas, o que ao fim e ao cabo, é uma reformulação dos espaços físicos sobre o solo. Por isso eu a chamei de “Reforma Eterna”.
No caso do Brasil, para que você melhor entenda, imagine que o solo nacional é uma cama coberta com uma colcha de retalhos. As primeiras divisões políticas denunciam os limites dos estados federados, depois vêm às divisões privadas (retalhos privados) que denunciam, a nosso ver, os diversos limites das propriedades privadas. Ora, se fosse possível pintar e observar dinamicamente o crescimento das grandes propriedades, a área que vem sendo tomada pelas cooperativas e pelo agro negocio internacional, veríamos que a cada momento esta em andamento uma reforma (uma nova forma) das áreas agrárias do Brasil, com um avanço das monoculturas de exportação, assim como o desenvolvimento do abate de madeira e pecuária com a conseqüente expulsão dos homens do campo para as cidades, e a falência ou extinção de pequenas propriedades que se tornam propositada e estrategicamente inviáveis. Com isso o uso do solo vai se concentrando, e as populações rurais vão se acumulando em um canto, como quem varre o pó sobre um tapete. Imensas regiões desabitadas, e imensas aglomerações humanas em desordem.
 Esse acúmulo de pessoas em cidades, não é atendido pelos lucros de exportação, pois em nosso país não há verdadeira e racional redistribuição de rendas. Assim vemos que há em andamento uma constante reforma agrária levada em curso pelo grande capital excludente das pessoas naturais que são ao fim e ao cabo os donos históricos do território, território conquistado gradativamente pela marca da facilitação dos financiamentos para os grandes capitais e propriedades e negligencia total aos pequenos produtores. O que vemos e assistimos nessa animação imaginativa da colcha de retalhos, é uma nova forma agrária dos ricos, (agora financiados por grupos estrangeiros) com expulsão e inviabilização dos pequenos proprietários da terra.  As grandes aglomerações urbanas já foram exaustivamente estudadas por urbanistas desde o tempo do filosofo Aristóteles que condenava cidades com mais de dez mil habitantes. Faça uma experiência, crie galinhas, gado, coelhos, ou pássaros em exíguo espaço e aparecem os defeitos da estratégia. Bem, qualquer pessoa de bom senso estará observando as anomalias que se produz com as grandes aglomerações humanas, onde os homens se tornam vorazes concorrentes e inimigos uns dos outros, com a massificação do desejo de consumo sem possibilidade de obtê-lo, ou exercitá-lo, enquanto o território vai sendo ocupado pela REFORMA AGRARIA DE DIREITA. As policias substituem o exercito, pois o inimigo agora é interno, os pobres são inimigos dos ricos disputando a vida, enquanto imensos tratores e maquinas, cavam o solo, colhem os grãos, para alimentar nações distantes e financistas, omissos aos interesses das gentes da nossa terra.
O IPARDES ao divulgar seu ultimo relatório, fez alusão a um fato significativo, a maioria dos empregos foi gerada no Paraná pelas pequenas cidades. Isso é indicativo de que há uma contra reforma agrária, mais popular, fazendo resistência ao progresso dessas imensas áreas de agricultura para exportação. Uma reforma que garante o uso e posse do solo por brasileiros.
 Quando o governo em nosso estado ofertou o fundo de aval, mecanizou pequenas propriedades, deu infra-estrutura de escoamento para a produção, fomentou a agregação de valor pela industrialização familiar aos produtos primários, fez uma contra reforma agrária mais a “direita”, mais prudente e esperta, e formou uma parede de resistência a migração forçada às populações rurais, empurradas sem escolha para a cidade. Então estamos vendo e testemunhado que há uma resistência pacifica e popular, uma reforma agrária, ou contra reforma agrária resistindo ao grande capital e a expulsão das populações campesinas. Pela primeira vez o IPARDES confirma em documento que é possível sim, uma inversão do sentido das migrações, ofertando nas pequenas cidades melhores condições de vida e no campo melhores condições de produção e comercialização.
 Isso também se deve ao esforço do governo junto às prefeituras em ofertar o mínimo de infra-estrutura urbana e equipamentos que garantam vida mais assistida nesses municípios periféricos das grandes aglomerações urbanas ao mesmo tempo em que fomenta a fixação das populações rurais.  As grandes redes de distribuição de energia e comunicação, poderão sim dar melhores condições de vida e educação aos campesinos. Os pequenos retalhos da colcha se tornarão mais harmônicos nas cores e na natureza dos tecidos, fazendo, ou formando um padrão, um estampado, um mosaico social e produtivo mais justo, mais humano, mas solidário, mais brasileiro.
Quando você compra um produto familiar em uma gôndola de supermercado, ou na feira, você esta ajudando a viabilizar a resistência, você estará financiado a contra reforma agrária do grande capital, você esta garantindo a liberdade de uso do solo nacional pelo seu povo histórico, e dando ao Brasil possibilidade de fomentar o mercado interno, com a melhoria de todos que estarão vivendo em espaços amplos, (você está garantindo outra densidade populacional) sem pressões de diversas ordens, e preservando a saúde da Vida Social. O modelo adotado pelo Paraná ainda não é perfeito, mas tem incrementado tanto a produção para exportação como a produção de mercadorias essenciais para a manutenção da vida e saúde dos brasileiros. O Brasil, no Paraná começa a despertar para o consumo interno, um mercado interno vitalizado pela redistribuição da renda, um Paraná para paranaenses, um Brasil para brasileiros.
Em 2003 exportávamos algo em torno de quatro bilhões de dólares, hoje em final de 2007, exportamos 11,8 bilhões de dólares, com um aumento considerável em quatro anos, sem, todavia descuidar da defesa do “cinturão de defesa” formado pelos pequenos agricultores que são a maioria no Paraná. Resta ainda que esses bilhões de dólares sejam comercializados por paranaenses e amantes do Brasil por uma Bolsa de Mercadorias e Futuros paranaense. O ideal é ainda incrementar mais as médias e pequenas propriedades e a restauração de um Banco Estadual. Houve significativo incremento na produção dessas pequenas propriedades, sobre modo nas medias, e isso também é reforma agrária, sem abuso, violência, ou invasão. A equalização da densidade demográfica das regiões do Paraná e Brasil é a garantia da Saúde Social do Brasil.
 Isso não quer dizer que estão fora de legitimidade, os movimentos que defendem outra espécie de agricultores, aqueles que desde muito foram condenados a uma ausência total de domínio do que é seu, pois sem reivindicação trabalhista no campo, nem preparo para a vida urbana, e sem o pleno direito do exercício de soberania sobre a sua produção agrícola, ou retalho da terra que lhes coube, os sem terra, cuja profissão insofismavelmente esta ligada aos destinos da terra em produção padecem.
Entenda-se, leitor, que se não fazemos uma contra reforma agrária, dando colorido à nossa colcha de retalhos, logo, os capitais de fomento aos bens de exportação estarão assumindo grandes porções do território nacional, e nossa nação será “tesourada” na sua atual forma histórica, com perda de territórios, numa reforma agrária universal, que esta formando unidades econômicas em detrimento das soberanias nacionais, chamadas de blocos econômicos. Se não reagirmos, defendendo os homens da terra, o espaço territorial brasileiro será tomado, vendido quiçá, para interesses que nunca foram os nossos. E o nosso interesse é uma sociedade brasileira mais justa, livre e solidaria, e soberana no território histórico do Brasil.
Além disso, por debaixo da colcha de retalhos que o grande capital vem colorindo de uma única cor, existe o colchão, isto é, abaixo do solo agriculturável existe o subsolo, rico e inexplorado e pertencente à União. Ora, quando grandes áreas contínuas de território brasileiro estiverem nas mãos de grupos estrangeiros, eles partirão para a exploração do colchão, o subsolo, sem possibilidade de reação dos brasileiros, que estão sendo desarmados, desmobilizados, iludidos e aglutinados doentiamente nas periferias pobres das cidades, e desprotegidos do exercito brasileiro que está sobrevivendo como se fora ele, algo alheio aos interesses das autoridades brasileiras, pois está sendo também desarmado, desmobilizado. Aglutinados nas periferias pobres das cidades, e desprotegidos, sucumbem os donos históricos da terra, o povo brasileiro. Eu vaticino senhores, defendam com unhas e dentes os homens do campo, pois essa é a revolução civil, silenciosa, não violenta, que garantirá nossa soberania territorial e nosso subsolo, promessa universal de uma nação forte, hegemônica, capaz de protagonismo histórico. Homens ricos e empreendedores acordem para essa necessidade, transformem propriedades subutilizadas em projetos e empreendimento de redistribuição demográfica e renda. O Brasil tem hoje todas as condições de produzir todos os bens de consumo e produção suficiente para desenvolver uma sociedade equilibrada e moderna, até mesmo no campo da informática com ajuda da Índia, ou no campo das energias limpas e renováveis, assim o Brasil pode alçar vôo. O nosso colchão é rico, possível e viável. Acorde gigante adormecido em berço esplêndido. Não subestime o nosso povo sonolento, apenas comente entre vocês, alertem, pois o brasileiro, por uma predileção de Deus ama a sua pátria visceralmente, e reagirá com a esperteza e determinação de sempre.
 G Wallace Requião de Mello e Silva.

Um empreendimento de valor insubstituível.

OG23 vaticina.
Um empreendimento de valor insubstituível.
Escrevo para pessoas que tem visão do futuro, esperança e fé. Escrevo para presidentes, governadores, prefeitos e homens públicos, pois o que direi é fruto de bom senso, de prudência, de planejamento em Saúde Social.
Num passado longínquo a mulher estéril era tomada de vergonha, pois dela não se podia esperar o futuro, a solução, a salvação. Ora, se assim é, podemos dizer que o que diremos aqui é fundamentado na reflexão sobre as leis da vida. Imagine um homem que tenha um punhado de sementes. Ele não as plantaria em um único vaso, mas as espalharia em grande área de plantio. Assim também o homem que quer iluminar uma casa não colocaria todas as lâmpadas em um único cômodo ou em um único canto, mas distribuiria as lâmpadas de modo à melhor iluminar toda a casa. Ora, se homens são sementes de esperança e futuro, sementes capazes de criar, devemos então espalhá-los pelo território todo, para que dêem fruto e possam, com suas luzes, iluminar o chão.
Estou dizendo que a criação de cidades como empreendimento social, cidades pequenas, estruturadas e com algum planejamento urbano, viabilidade e sustentabilidade é ou são um empreendimento social de valor inestimável capaz de garantir a saúde social de toda a humanidade. Essa distribuição das populações pelo solo brasileiro devolveria ao Brasil toda a sua vitalidade, toda a sua mobilidade social, toda a sua oxigenação e consciência como povo e nação. As grandes cidades são um cancro tão grave como criar quinhentos leões em uma pequena jaula. As pequenas cidades, em torno de uma igreja, (semeiem Igrejas) que lhes da o necessário suporte moral e sentido do sentir religioso, é o espaço de estudar, crescer, desenvolver e dançar com os braços abertos. O homem precisa de espaço e ar. O homem precisa de horizontes visuais. O homem precisa de contato com as leis da vida, da fertilidade do solo e dos animais. O homem precisa do falar, do ouvir e cantar. O homem precisa do trabalho relacional com a TERRA, SUA MÂE E SUPORTE.
 O HOMEM PRECISA RELACIONAR-SE COM DEUS, seu pai e gerador, provedor e autor.
Homens públicos brasileiros prestem a atenção, criem cidades, distritos e espalhem as sementes humanas nos campos. Construam caminhos. A aglutinação é doença social. A aglutinação massiva é morte. A centralização das gentes é o erro maior dos últimos séculos. O homem espalhado é livre, o homem apinhado é escravo. Vamos ao plantio dos homens no território brasileiro, vamos aspergir a água como faz a chuva. Vamos copiar o sol. Vamos agir como o vento e os pássaros, espalhando as sementes da esperança. Comunicação sem aglutinação. Partilha sem acumulação. Vitoria sem sangue. Espaço vital habitável. Luzes em toda a casa. Brasil iluminado, habitado, campos plantados, homens brotando o futuro na fé e na esperança ao som e ao tom da caridade.
G. Wallace Requião de Mello e Silva.

           Grupo 23 de Outubro.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

As Guerras.

As Guerras são  por motivação econômica e não religiosa.
Você leu o segundo artigo sobre o Estado Islâmico e não acreditou; A motivação religiosa serve apenas para a manipulação de homens fanatizados, mas nos bastidores o que manda é a economia. Por que se faz guerras, já perguntou alguém. Um estudo das guerras primitivas nos mostra que eram feitas para defesa e ampliação de territórios e zonas de caça, para rapto de mulheres e por submissão do poder alheio aos desejos de um novo líder. Carl Marx vai nos dizer que o comercio nada mais é do que a civilização da guerra; Todavia comercio e poder levam a guerras cruéis, e guerras são feitas para favorecer o poder e o comercio.
Na Revista Historia viva de Novembro de 2003 o historiador e documentarista judeu Pierre Abramovici, em uma invejável reportagem nos conta as tramas de negócios de empresas norte americanas com o nazismo. ITT, GM, Ford, DuPont , IBM e Standard Oil chegaram a produzir, e abastecer segundo o autor, armas, aviões, veículos de guerra e equipamentos eletrônicos tanto para os nazistas como para os aliados. O autor escancara os contratos da Câmara de Comercio EUA-Berlim e a reportagem deve ser lida pelo interessado.
Apenas quero ressaltar que o autor esquece de comentar que muitas dessas empresas eram dirigidas por judeus. Não diz que o Stein Bank o banco de Hitler tinha origem judia, que a Standard Oil era de propriedade dos judeus norte americanos Rockfeller, que a ITT era dirigida pelo judeu Sostshene Behn e tinha outro judeu em sua sede alemã  Jenry Mann. Não preciso lembrar aos senhores que o grupo de Frankfurt foi um dos responsáveis pela introdução do socialismo na Alemanha; como já pude escrever no Blog Psicologia do Cabo ao Rabo.
Eu não estou procurando incriminar ninguém, estou sempre procurando o que já de verdade nos fatos, e o motivo pelo qual se ressuscita alguns assuntos para dissimular outros; com o tempo saberemos o que esta por detrás desse mal-falado Estado Islâmico. Compreendem, a bandeira religiosa agrupa por generalização o ódio aos islâmicos, enquanto do outro lado os islâmicos se unem contra os odiosos “cristãos” ocidentais. Esboço de uma guerra muito seria. E grandes negócios naturalmente, além é claro, de diminuir a população do Planeta.


Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

Politica local.

Por que eles se uniram?

Dizem por ai que o Senador Requião, depois desse mandato, estará morto politicamente. Na verdade essa afirmação é a afirmação de quem o teme. Uniram-se contra Requião e seu filho candidato a prefeito de Curitiba, vários partidos. O atual governador Beto Richa, o ex-prefeito Luciano Dutti, e o ex.prefeito Rafael Greca. Greca é candidato a prefeito, assim como Gustavo Fruet, atual prefeito e Leprevost. O jovem advogado e Deputado Estadual, Requião Filho, criado nos bastidores da política local, e formado pela Universidade de Brasília, corre por fora, pois todos esses nomes citados querem o Requião longe do poder. Eu tentarei mostrar nas próximas publicações o porque dessa resistência. O primeiro motivo e o mais óbvio é que se Requião Filho se elege, Requião será quase com certeza governador do Paraná pela quarta vez.


Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

O velho soldado gostava de beber.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.


O morcego fica de ponta cabeça, bê tido invertido, e enxerga no escuro; O morcego emite sons que vão e voltam e assim se orienta.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

O Estado Islâmico * (continuação).

O Estado Islâmico * (continuação).
A guerra, qualquer guerra, obedece às leis do comercio. É preciso criar o consumo para manter a industria, a distribuição, e o desenvolvimento de armas. Parecerá estranho aos seus olhos. Mas a riquíssima industria bélica pode financiar grupos de conflitos. Ora esses conflitos alimentam a Mídia, as industrias médicas, as de alimentos, da eletronica,  as de fardamento e equipamentos militares não bélicos, criam o pânico e o ambiente favorável para vendas bilionárias, etc. Quando há uma ameaça de caráter mundial, se vende armas e veículos militares, aviões e equipamentos no mundo todo. Fica Claro isso? Você pode compreender isso?
Então vamos as perguntas: O que produz o Estado Islâmico? Como é sua economia de guerra? Ele produz armas? Munições? Quem as fornece? Tem uma moeda forte capaz de liquidez no mercado internacional?
Ou sua economia de guerra é o escambo?
Eles podem estar sendo financiados pelas industrias bélicas diretamente ou pelos comerciantes de armas. Quem são eles? Russos, judeus, americanos, franceses?  O Estado Islâmico pode receber recursos e armas de outros países islâmicos? Isso faz desses países cúmplices de terrorismo?
Que riquezas o Estado Islâmico possui para o escambo, já que sua moeda não tem valor?
Petróleo, quem o compra? Quem domina o mercado de petróleo no mundo?
Drogas; quem compra? Quem domina o mercado:
Riquezas minerais; Quem compra?
Serviços de guerra? A quem interessa, que lucro e quanto custa um atentado em Londres? Paris? Berlim   ou
New York? Como esses atentados servem a globalização e ao futuro Governo Mundial?  Com quem ficará esse território “liberto” no caso de uma total invasão ocidental?
Tudo, meus amigos, acobertado por um véu de guerra religiosa bastante conveniente e convincente. Como dizia Maquiavel, é preciso ter um inimigo comum para se governar um povo. Dizemos nós: Um inimigo comum da cristandade ocidental ( agonizante) para se governar todos esse povos ocidentais e uni-los sobre uma mesma batuta e atrás de um mesmo canhão.
Finalmente me expliquem: Por qual motivo o Estado Islâmico, estando tão perto, não ataca Israel?

G 23

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Estamos andando mais rapido.

Passamos das cento e dezenove mil consultas.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Minha opinião sobre o texto abaixo

Minha opinião sobre o texto abaixo.

                    “Estive morto, eis que estou vivo” (AP 1,18).
Se eu fosse Sócrates muito provavelmente saberia como fazer o parto de vossos espíritos. Mas tentarei trazer alguma luz.
A morte do padre francês trás dor a todos nós.Os jornais do mundo todo explodem em noticias. Mas temos nos calado com as mortes de cristãos na Síria, incluído sacerdotes. O grande inimigo de Maomé não era o cristianismo e sim o judaísmo;ç O grande inimigo do judaísmo, a sua principal preocupação é combater  o cristianismo. Em termo de religiões no chamado Oriente Médio, o cristianismo é minoria (pesquise) e não é uma ameaça. “Islâmicos” atacam povos cristãos? Ou seria outro o motivo?
Pesquisem por favor há quantos anos ocidentais impõe-se naquela região; eles estão lá para pregar o cristianismo católico ou protestante? Eles estão lá em paz? Parece que não é esse o interesse. È por causa da Rússia?
A primeira impressão que temos é que a religião do “petrolismo” seria a maior e única causa dos eternos conflitos da região. Mas longe da mídia e sua magia nós devemos nos perguntar: Quem é o grande beneficiário daqueles conflitos? Quem acredita que aquelas terras foram prometidas por Deus? Quem se beneficia economicamente da região: Quem domina o comercio do petróleo no mundo inteiro?
Eu não vou responder.
Claro que a morte do padre francês me dói, mas e a morte de crianças, mulheres, jovens e velhos através dos anos, provocadas por ocidentais. Por judeus e russos, e por conflitos internos estimulados por interesses estrangeiros há décadas não devia nos doer muito mais? O que fazemos lá? O que defendemos em terras que não nos pertencem? Quem estimula ideologicamente esses conflitos? Quem será o beneficiário de uma enorme invasão armada daqueles territórios?
Penso que você começa a enxergar uma tênue luz.
Por mais forte que fosse um Estado Islâmico não sairia por ai provocando nações militarmente mais fortes e mais numerosas. Seria suicídio, e o suicídio massivo a nada adianta a Maomé. Parece então que por detrás de homens fanatizados agindo como marionetes existe tanto um financiamento como uma orientação ideológica que vai muito alem dos interesses islamitas. A religião de Maomé é apenas o cenário. O pano de fundo e o bode expiatório.
Cabe ao leitor responder essas pequenas perguntas que faço; Quem ganhará, ou terá vantagens territoriais, econômicas e militares se o mundo ocidental atacar o Oriente Médio? Quando falo em mundo ocidental não falo em mundo cristão, pois o verdadeiro cristianismo esta agonizando. Falo de capitalismo ocidental, falo do comercio de armas ocidental. Falo do trafico ocidental de drogas ( leia sobre o período em que o Iraque e Afeganistão  foram grandes fornecedores de drogas ao ocidente).
Amigos, somente como um exercício de consciência, se sua família, durante gerações, visse suas mulheres, homens e crianças sendo mortos por grupos nacionais inflados pelos interesses estrangeiros ou mesmo morto por soldados estrangeiros, como vocês agiriam?
Eu não estou justificando, estou pedindo que levantem os lençóis que escondem a verdade...pois se ela continuar teremos outra guerra mundial.


Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

Um ponto de vista diferente do meu.

Os cruzados e os pregadores

Ontem um padre foi assassinado na França. Mais que isso: foi atacado enquanto celebrava Missa e barbaramente degolado por dois covardes muçulmanos. Não se pode dizer que a tragédia tenha sido inesperada; mesmo assim ela nos choca quando enfim acontece. Se a flecha que nós já conhecemos chega mais devagar, como canta Dante, nem por isso ela nos machuca menos quando — a despeito de tudo — nos atinge em cheio. É incrível: das coisas previsíveis nós deveríamos nos precaver. No entanto, apenas assistimos, atônitos, as tragédias que — de longe! — víamos avançar contra nós!
O mais aterrador é saber que há quem tema que fatos assim sejam imputados indistintamente a todos os muçulmanos, mesmo aos pacíficos. Ora, este problema está posto em uma clave totalmente equivocada. A questão não é saber se há ou não há uma minoria radical muçulmana; a questão é saber, primeiro, se o islamismo deve ser enfrentado e, segundo, de que maneira se o deve enfrentar.
Que ele deva ser enfrentado é uma posição que encontra, graças a Deus, cada vez menos opositores — o discurso de Ratisbona já vai completar dez anos e nunca esteve tão atual. O passar dos anos tem nos mostrado que há um número cada vez maior de muçulmanos e que eles estão cada vez mais próximos de nós: são nossos compatriotas, nossos colegas de trabalho, nossos vizinhos. E se os nossos vizinhos têm um conceito tão importante quanto — por exemplo — «jihād», que evidentemente diz respeito às relações intersubjetivas entre os homens no seio da sociedade, não parece prudente tratar esta categoria como se não nos dissesse respeito. É preciso, sim, enfrentá-la. Se há um grupo de pessoas que acredita ter o direito — por vezes o dever — de nos impôr as suas crenças, está cada vez mais claro que não podemos tratar isso apenas como uma excentricidade que nós podemos ignorar. Não dá para ignorar. É preciso reconhecer o diferente que está do nosso lado; é preciso ouvi-lo e falar com ele.
E, evidentemente, é preciso por vezes impôr-lhe limites: a sanha expansionista do Islã, que nos atentados do ISIS revela a sua faceta mais desumana, precisa, sim, ser enfrentada pelo Ocidente, se o Ocidente quiser sobreviver. Isso é até pouco polêmico. O problema maior surge quando discutimos de que maneira a devemos enfrentar. Os próceres do relativismo dizem que é preciso distinguir o muçulmano normal do fundamentalista, para que não ataquemos de maneira indiscriminada pessoas inocentes. A preocupação é verdadeiramente estapafúrdia, e revela uma ignorância histórica que seria cômica se não fosse tão perigosa.
Porque sempre houve dois mouros: o dos negócios e o da guerra. O súdito e o soldado. O teórico e o prático. E com ambos sempre soube tratar a Cristandade, sem generalizações rasas nem distinções bizantinas. Santo Tomás pode até ter pensado certa feita em cruzar espadas com Averróis; pode até ter passado um dia pela cabeça de Ricardo Coração de Leão desafiar Saladino para uma disputatio universitária. Não há no entanto dúvidas de que um é um acadêmico e, outro, um militar; contra aquele a escolástica levantou tratados, contra este os nobres lançaram cruzadas. Ambos foram inimigos da Cristandade, mas as armas que ela empregou contra um e outro foram totalmente diferentes. Um é o mister do pregador; outro, o do cruzado. Não é só este o que atualmente faz falta; há uma indigência terrível, devastadora, clamorosa, de pregadores nos dias de hoje!
Há um clamor cada vez maior por cruzados. Sim, cruzados fazem falta; mas nem só de cruzados era composta a Cristandade. Sim, o mouro precisa ser combatido; mas é preciso saber de que modo o combater. Porque queremos, sim, fazer guerra contra os infiéis; mas não — sempre — a guerra das armas, não — necessariamente — a guerra dos soldados. É com idéias que as idéias se combatem; fossem os muçulmanos evangelizados, aliás, não precisariam ser hoje combatidos. Há hoje necessidade de cruzados, porque faltaram, e faltam, pregadores do Evangelho.
Mas as pessoas têm medo do sadio combate ao islamismo, porque pensam, primeiro, que as únicas coisas que os católicos sabem fazer contra os muçulmanos são as cruzadas; segundo, que as campanhas medievais contra os turcos eram, todas, uma espécie de pogrom voltado para o extermínio dos mouros. Ora, nada disso não faz o menor sentido.
As Cruzadas foram movimentos de guerra, ad extra, desempenhados em campo aberto, de peito aberto, cabeça descoberta, contra inimigos — atenção, que isso é importante — igualmente em guerra, igualmente em combate, igualmente armados e mortíferos. Não se trata (e nem nunca se tratou) de perseguir minorias pacíficas e indefesas. Eram a guerra dos homens livres e corajosos, com os reis à frente dos exércitos, sem alistamento militar obrigatório. Hoje, com soldados enviados à força para países estranhos, com máquinas voadoras não-tripuladas bombardeando alvos civis, aquelas coisas já não se compreendem; não cedamos, contudo, à fácil tentação de conferir maior incivilidade aos nossos antepassados que a nós próprios. O ius in bello nasceu muito antes do Tribunal de Haia, e tanto os reinos cristãos quanto os califados foram forças de agregação social das quais a ONU jamais chegou perto. Chesterton tinha razão quando disse que um soldado lutava mais por amor àquilo que protegia atrás de si do que por ódio ao que tinha à sua frente; e o guerreiro medieval talvez seja o melhor arquétipo deste soldado pintado pelo polemista inglês.
A Cristandade fez guerra contra o mouro, sim. Mas não a fez com a covardia com a qual, hoje, os bastardos de Baphomet atacam o Ocidente. Os atentados modernos aliás talvez nem mereçam novas cruzadas, porque os terroristas contemporâneos não são herdeiros dignos dos sarracenos que os nossos antepassados enfrentaram. Em campo aberto um dia o cruzado lutou com o mouro; a espada cristã e a cimitarra turca entrechocaram-se, a Cruz contra a Crescente, sob o sol de Deus. A guerra, a boa guerra, exige e pressupõe uma certa consideração mútua entre os adversários, um certo respeito entre inimigos — coisas em tudo ausentes nas saraivadas de balas disparadas contra jovens desarmados, nos caminhões lançados sobre transeuntes, nas facas decapitando sacerdotes durante a celebração da Santa Missa. Saladino ficaria envergonhado.
E ainda mais: nem só de guerras viveu a Idade Média! É evidente que nem todo muçulmano é pessoalmente um homem-bomba; isso, no entanto, é completamente irrelevante. Há o mouro soldado e há o mouro simples fiel; se é verdade que devem ser ambos combatidos, não é menos verdade que o primeiro se combate com as armas e, o segundo, com as letras. Ninguém teve jamais dúvida disso. A pretensão de passar a fio de espada populações inteiras só poderia surgir do totalitarismo laico contemporâneo — dessa antropologia canhestra que, de tanto criticar o Antigo Testamento, incorporou os demônios que lá julgou encontrar. O que os homens modernos não parecem perceber é isto: ninguém vai ter tempo de hostilizar muçulmanos pacíficos se estiver em guerra contra muçulmanos belicosos. A Cruzada não é um pogrom. A Cruzada evita pogroms.
Até porque o muçulmano “funcional” — o fiel islâmico que, mais ou menos bem integrado ao país do Ocidente onde reside, cumpre com seus deveres cívicos e não é um elemento desagregador da sociedade — está para a República moderna assim como os antigos mouriscos para os reinos católicos. Ora, jamais se fez na Península Ibérica contra os mouros batizados a mesma guerra que se travou inclemente contra os otomanos no Mediterrâneo. O mundo moderno precisa aprender com os antigos como tratar o Islã; e a primeira coisa que ele precisa aprender é que nem toda interação cristã-muçulmana se deu nos moldes do Saque de Constantinopla!
Distinguir um mouro do outro, assim, é essencial para proteger os próprios mouros. Os muçulmanos pacíficos não estarão seguros enquanto os agressivos formarem, com eles, uma massa indistinta. E clamar contra a “islamofobia” (ou qualquer bobagem do tipo) diante do ISIS chacinando “infiéis” diariamente não é proteger os muçulmanos. É pô-los, a todos, sob constante suspeita. É impedir a sadia atuação distinta dos pregadores e dos cruzados. É reducionista e obtuso.
Mas distinguir um mouro do outro é fundamental também para os próprios cristãos: afinal, somente assim a posição deles se torna defensável — ou mesmo exequível. Cada combate precisa ser travado com as suas armas adequadas; e embora o Islã seja sem dúvidas o velho inimigo, uma coisa é o muçulmano rezando na mesquita e, outra, o muçulmano assassinando inocentes. Um se enfrenta com as armas da apologética; outro se combate com armas de fogo. Um demanda a força intelectual e, outro, a força física. Foi assim que sempre se fez. Não tem sentido conclamar uma guerra contra “o mundo árabe” assim, indistintamente, como se todo muçulmano devesse ser combatido da mesma maneira. É preciso compreender a unidade do inimigo, sim, para que se tenha clara noção da importância da guerra; mas é preciso distinguir o mouro do mouro, igualmente, para que os cruzados e os pregadores tenham cada qual o seu devido campo de atuação.
Ontem um padre católico foi assassinado dentro de uma igreja, e é difícil imaginar que não tenhamos chegado ao ápice da pusilânime letargia ocidental. É de se esperar que, quem sabe?, agora a França — a filha dileta da Igreja — desperte do seu torpor. Os cães sarracenos tocaram num ungido de Cristo, profanaram uma igreja, derramaram o sangue de um padre diante do altar de Deus, assassinaram um sacerdote do Deus Altíssimo! Será possível que a França continue inerte? Terão os franceses se esquecido do seu passado de glória? A gesta Dei per francosserá somente uma expressão antiga, incapaz de inflamar nas almas francesas o amor a Cristo?
O sangue dos mártires é semente dos cristãos; ficará o testemunho do pe. Hamel sem frutificar? Quero crer que não. Que o Senhor Se levante para nos proteger; que desperte e tenha misericórdia de nós. Que suscite santos cruzados e santos pregadores, todos repletos de uma santa coragem, imbuídos da abnegação de consumir a própria vida a serviço de Cristo. O Ocidente precisa de santos capazes de fazer frente ao mouros. Cruzados que os impeçam de vitimar inocentes. Pregadores que os arrastem aos pés de Cristo Salvador dos Homens.

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

Uma experiência formidável.

Uma experiência cristã formidável.
Vocês devem se lembrar daquele trecho bíblico que nos conta que tendo chegado hospede em uma casa, ele, o dono da casa, vai ao vizinho pedir ajuda ao meio da noite, pois não tinha nada para servir. Lembram?
Pois é, eu costumo dizer a algumas pessoas? Passe lá em casa para tomar um café, mas leve o pão. Ontem à noite uma jovem senhorita carregando um pacote de pão bate em meu portão; pensei: Tenho apenas uns files de Polaca do Alaska, sal, manteiga e um arroz cozido em água de beterrabas. Não achei apetitoso. Então disse para ela: Vamos à casa de meu primo, ele é ótimo cozinheiro e meu vizinho. Coloquei em uma sacola os files de Polaca do Alaska e o pão que a moça trouxera e batemos, como na Bíblia, à casa de meu primo. Eu pensava, ele vai nos mandar à...
Surpresa, ele nos recebeu. Pediu desculpas pela bagunça e mandou que esperássemos um pouco. Em minutos serviu um jantar completo onde os filés de Polaca do Alaska já não eram o prato principal. Eu ria da sacanagem e ao mesmo tempo me maravilhava com a caridade cristã de meu primo, que eu confesso, não teria. A Noite estava fria e ele serviu i jantar com chá quente de mel e gengibre.


Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

quarta-feira, 27 de julho de 2016



Chegamos às cento e dezenove mil consultas.

oje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

A instituição do caos ( republicado)

A instituição do caos.
Se nós percorrermos todos os autores, que defendem ou atacam a família cristã, por exemplo, de um defensor como Leonel Franca em “A Crise de Nosso Século” ou um inimigo como Bronislaw Malinowiski em “A vida sexual dos selvagens”, chegaremos numa conclusão das mais obvias onde todos concordam, a família ordena as sociedades e os Estados. Não fosse ela importante na ordem natural, nunca se gastaria tantos recursos midiáticos para atacá-la. De ambos os lados se reconhece que na família esta a fonte do poder, da ordem, e da economia social. No coração da família, está o sexo, e este tem por função natural a preservação e propagação da vida. Portanto o ordenamento sexual é absolutamente necessário tanto para a geração, segurança, propagação e educação da vida gerada, como para o ordenamento do Estado. Militares (guerreiros) desde as mais remotas antiguidades já sabiam e usavam, entre outras técnicas e estratégia para enfraquecer os inimigos, a de envenená-los, entorpecê-los e minar-lhes as famílias, o que traria a imediata desordem de comando. A Inglaterra, por exemplo, chegou a instituir o direito de primogenitura, ou seja, se dava o direito de ter um inglês à primazia sobre o primeiro filho das mulheres dos povos vencidos. Outros sem delongas lhes tomavam as fêmeas. Ora parece obvio o objetivo disso.
Cinqüenta anos atrás, se alguém publicamente, defendesse o “casamento” de dois homens ou duas mulheres... Correria o risco de ser considerado sem juízo. Isto por que casamento vem de casal e do derivativo acasalar, e não há casal entre dois machos, muito menos sexo, pois não há o encontro do sexo masculino com o feminino, o que caracteriza o casal e o acasalamento. Pela via do direito de família, não há consumação do sexo entre dois machos ou duas fêmeas.
Mas o tempo foi entorpecendo a lógica dos fatos, e os povos, sendo enfraquecidos propositadamente de tal modo que óbvio já nos parece “hermético”. Perdeu-se a noção básica de finalidade do casal, donde por conseqüência, estaremos descendo a ladeira do sexo, como, surpreendentemente, para atacar a família cristã, Malinowiski se obrigou a demonstrar: quanto mais promiscuo e desordenado o ordenamento sexual de um povo, mais primitivo ele o é, mais próximo da vida animal está... E mais próximo de ser reordenado em favor da vida pelo cio, como os irracionais o são.
Recentemente a filha do ex. ministro da cultura do Brasil, declarou-se bi sexual. Nenhum alarde ou surpresa, no entanto a palavra bi-sexual quer dizer do individuo que possui os dois sexos, ou seja, hermafrodita. Mas a filha do Ministro da cultura não sabe destas coisas, e certamente não sabe que em toda a história medica nunca se encontrou um único caso de hermafroditismo verdadeiro e viável na espécie humana. Então o que a filha do ministro quis dizer é que é promiscua, ou seja, que sente prazer erótico tanto com homens como com mulheres. Ora, há os que sentem com animais, maquina vibradores, bonecas, drogas, e uma infinidade de experiências, todavia isso é erotismo, mas não é sexo. Mais grave que isso, e os legisladores brasileiros não querem olhar de frente, em menos de dez anos, pessoas como a filha do ministro estará exigindo o direito de “união estável” como uma mulher e um homem ao mesmo tempo. Ora, mas o homem dessa parceria pode ter ou outro homem ou outra mulher, pois podemos julgar que também ele se ache ou bi-sexual. E a mulher... Também ela poderá ter suas preferências... Então estaremos diante da poligamia, da poliandria e das uniões poligâmicas. Mas e se houver nisso a bestialidade? A pedofilia? A Necrofilia? A Gerontofilia? O Sadismo? O Masoquismo?... Pois desvinculado o sexo de sua função diante da vida restou-nos uma salada de desejos sem fim defendidos em nome da satisfação pessoal e da “felicidade” individual.
Cinqüenta anos atrás, no Congresso Nacional, se eu defendesse que estaria-mos defendendo o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, alguém diria: Nunca isso nunca acontecerá. Do mesmo modo, as uniões múltiplas serão defendidas em plenário sem que ninguém as conteste por medo do peso da pressão midiática.
Por que não se diz que a pedofilia é conseqüência ao conjunto de ataques que a sociedade faz à pureza e a inocência. Porque as pessoas ainda têm sensibilidade aos ataques sexuais as crianças e já perderam a sensibilidade aos ataques a vida, ataques de fundo sexual, sofridos no útero da mãe, com requintes de crueldade medica, que são o aborto, a anticoncepção, a vasectomia, o rompimento das trompas ovarianas?
São violências ao fruto do sexo, e a natureza do sexo, e a finalidade do sexo. A palavra Ab USO, ou seja, abuso sexual se traduz do latim, por mau uso do sexo. O que estamos vendo é a gradativa “Legalização do mau uso do sexo”.
Quer queiramos quer não, estamos tomando a ladeira que ira derrotar de vez o Estado, na verdade o Estado construído sobre valores cristãos. O que virá em substituição? No que resultaram os Estados não Cristãos nestes últimos 1000 anos?
Quem teria interesse na derrocada dos valores cristãos? Alguma nação, alguma religião? Algum interesse econômico? Não propriamente, estes só têm interesse na justa medida que se apegam ao Inimigo de Cristo, à antítese de Cristo, ao anti-AMOR... Que a nosso ver é a raiz do imperialismo, seja ele islâmico, sionista, materialista e ou cristão. O anti amor é a teoria de domínio.. E o domínio do orgulho humano a opor-se a Deus, é a replica do grito satânico: Nós somos como ele. Dominamos e não serviremos, nem a Deus, nem aos homens, nem aos filhos dos homens... Seremos o que somos Espíritos Maus, a servir ao Mal, que os homens já não temem, pois já não acreditam que ele exista. E se o Mal não existe, não há Bem a ser defendido... Pois, não há bem nem mal... O que nos resta é viver intensamente o agora, cheirar o nosso pó, fumar nossa maconha, dar o cu ou comê-lo aos outros

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.

terça-feira, 26 de julho de 2016

Quando eu digo que a revolução russa foi feita por judeus, eu não minto.

Mundo contraditório. Para muitos o Comunismo é positivo, para outros um crime contra a humanidade. Quanto mais você pesquisar encontrará judeus na origem e divulgação do Comunismo; No entanto Henry Ford em seu livro O Judeu Internacional denunciava na mesma epoca o dominio e a apropriação do capitalismo norte-americano pelos capitalistas judeus. Contradição das gtandes que merece seu estudo e aprofundamento.

Léon Trotski

Page d'aide sur les redirections « Trotski » redirige ici. Pour les autres significations, voir Trotski (homonymie).
Léon Trotski
Trotski en 1921.
Trotski en 1921.
Commissaire du peuple aux Affaires étrangères de la République socialiste fédérative soviétique de Russie
Premier ministreVladimir Ilitch Lénine
PrédécesseurMikhaïl Terechtchenko
SuccesseurGueorgui Tchitcherine
Commissaire du peuple pour l'Armée et les Affaires navales de la République socialiste fédérative soviétique de Russie
PrédécesseurNikolaï Podvoïski
Commissaire du peuple pour les Affaires militaires et navales de l'URSS
Premier ministreVladimir Ilitch Lénine
Alexeï Rykov
PrédécesseurNikolaï Podvoïski
SuccesseurMikhaïl Frounze
Président du soviet de Petrograd
Nom de naissanceLev Davidovitch Bronstein
Лев Давидович Бронштейн
Date de naissance
Lieu de naissanceIanovka, Gouvernement deKherson (Empire russe)
Date de décès (à 60 ans)
Lieu de décèsCoyoacánMexico (Mexique)
Nature du décèsAssassiné
NationalitéRusse (de 1870 à 1917)
Russe (de 1917 à 1922)
Soviétique (de 1922 à 1932)
apatride (de 1932 à 1940)
Parti politiqueParti ouvrier social-démocrate de Russie
Parti communiste de l'Union soviétique
Opposition de gauche
Quatrième Internationale
PèreDavid Leontievitch Bronstein
MèreAnnette Lvovna Bronstein
ConjointAleksandra Sokolovskaïa,
puis Natalia Sedova
EnfantsLev SedovSergueï Sedov
ProfessionHomme d'État

Signature de Léon Trotski
Léon Trotski (ou Trotsky, voireTrotzky ou Trotzki1 ; en russe : Лев Троцкий), de son vrai nom Lev Davidovitch Bronstein (en russe : Лев Давидович Бронштейн), né le à Ianovka (alors dans l'Empire russe, aujourd'hui en Ukraine) et mort assassiné le  à Mexico (Mexique), est unrévolutionnaire et homme politiquerusso-soviétique.
Militant marxiste, du Parti ouvrier social-démocrate de Russie (POSDR) puis, à partir de l'été 1917, bolchevik, il est plusieurs fois déporté en Sibérie ou exilé de Russie, et est notamment président du soviet de Pétrograd lors de larévolution russe de 1905.
En 1917, il est le principal acteur, avecLénine, de la révolution d'Octobre qui permet aux bolcheviks d'arriver au pouvoir. Durant la guerre civile russe qui s'ensuit, il fonde l'Armée rouge et se montre partisan de mesures de Terreur : son action contribue à la victoire des bolcheviks et à la survie du régime soviétique. Il est dès lors, et durant plusieurs années, l'un des plus importants dirigeants de l'Internationale communiste et de l'URSS naissante.
Il s'oppose à la bureaucratisation du régime et à Staline en prenant la tête de l'Opposition de gauche ; Staline le fait finalement chasser du gouvernement (1924) et du Parti communiste (1927), puis l'exile en Asie centrale avant de le bannir d'URSS (1929). Trotski entreprend alors d'organiser ses partisans, qui se réunissent en 1938 au sein de la Quatrième Internationale. En1940, installé au Mexique, il est assassiné sur ordre de Staline par un agent du NKVD.
À la fois orateur, théoricien, historien, mémorialiste et homme d'action, Trotski demeure l'inspirateur dont se réclament toujours les divers groupes trotskistes à travers le monde.

Biographie[modifier | modifier le code]

La maison des parents de Trotski à Kherson.

Famille et enfance[modifier | modifier le code]

Famille[modifier | modifier le code]

Trotski est issu d'une famille juive des environs de Kherson, dans le sud de l'Ukraine. Il est le cinquième enfant de David Leontievitch Bronstein (russe : Давид Леонтьевич Бронштейн) (1843-1922) et d’Anne ou Annette Lvovna Bronstein née Jivotovskaïa (russe : Анна ou Анетта Львовна Бронштейн née Животовская). Ce sont des propriétaires terriens d’un khoutor près du village Ianovka (russe : Яновка) (district d’Élisavetgrad du gouvernement de Kherson, actuellement village Béréslavka, raïon de Bobrinetsk, oblast de Kirovograd en Ukraine)), dans le sud de l’Empire russe. Les parents de Trotski sont originaires du gouvernement de Poltava. Son père a bénéficié des réformes de Catherine II et ses successeurs qui donnent aux Juifs des terres pour les cultiver et qui leur permettent d'employer des chrétiens pour travailler. Il a ainsi acquis une grande étendue de terres et a un nombreux personnel sous ses ordres (garçons de ferme et domestiques). Le père est un homme doué pour le travail des champs mais illettré, c'est pourquoi son fils doit faire des études pour l'aider à faire la comptabilité, un domaine dans lequel il va exceller2.

Enfance[modifier | modifier le code]

Trotski, prénommé Léïba (russe : Лейбаhébreu : לאון), variante de Léon, parle dans l’enfance l’ukrainien et le russe 3. Il est envoyé à l’école Saint-Paul (tenue par des protestants allemands) d'Odessa, où il se distingue par ses brillants résultats. Pendant ses études à Odessa (1889-1895), Trotski loge chez son cousin maternel Moïse Filippovitch Spenzer, propriétaire de l’imprimerie scientifique « Matézis » (russe : Матезис) et sa femme Fanni Solomonovna ; ce sont les parents de la poétesseVéra Inber.
En 1896, Trotski évolue dans un cercle de propagande révolutionnaire de Nikolaïev. Il ne tarde pas à abandonner ses études, renonçant à devenir un mathématicien, sous l’influence d’un groupe populiste4.

L'engagement politique[modifier | modifier le code]

Trotski en Sibérie, 1900.
Un temps tenté par les idées populistes, qui voient dans la paysannerie russe et ses fréquentes jacqueries le ferment de la révolution future, il adhère aux positions politiques sociales-démocrates (1896). Sous le pseudonyme de Lvov, Trotski participe à la création d'une organisation révolutionnaire, en particulier par la rédaction d'articles reproduits au moyen d'unhectographe et distribués à la sortie des usines.
En 1897, Trotski prend part à la création d'un « syndicat ouvrier du sud de la Russie ». En1898, la police procède à des arrestations de masse durant lesquelles Trotski est arrêté. Il est transféré de prison en prison, d'abord à Nikolaïevpuis à Kherson, et Odessa où il commence à étudier, dans les conditions que la prison lui permet. Trotski étudie les nombreux textes religieux à sa disposition à la bibliothèque de la prison, dont un certain nombre porte sur la franc-maçonnerie. Il s'initie également à lathéorie marxiste à travers les écrits d'Antonio Labriola. Le rapprochement de Trotski du marxisme est probablement en partie lié à la relation qu'il lie avec la jeune marxisteAlexandra Lvovna Sokolovskaïa, l'une des anciennes dirigeantes du syndicat.
Trotski se marie avec elle en 1900 dans la prison de Moscou, pour éviter d'en être séparé, car il devait être envoyé en déportation en Sibérie à Oust-Kout. Ils ont deux filles. En déportation, Trotski établit le contact avec les agents de l'« Étincelle (Iskra) ». Sur recommandation de Gleb Maksimilianovitch Krjijanovski, qui lui donne son pseudonyme de « Plume » (russe : Перо), il intègre le groupe. Ne supportant plus l'enfermement devant sa tâche à accomplir, il réussit à s'évader en 1902, en laissant sa femme et ses filles derrière lui. Le passeport falsifié qu'il porte est au nom de « Troktski », d'après le nom d'un gardien de la prison d'Odessa, qu'il choisit peut-être pour dissimuler ses origines juives5, et qu'il gardera comme pseudonyme. Sous cette fausse identité, il émigre alors vers l'Angleterre.

Premier exil[modifier | modifier le code]

À Londres, il rencontre Lénine, dont il a entendu parler pour la première fois en 1900 et dont il a commencé à lire le traité politique Que faire ? peu avant son évasion de Sibérie. Lénine le fait entrer dans le comité de rédaction du journal Iskra (L'Étincelle), par cooptation ; il compte, par l'entrée de Trotski comme septième membre, aplanir le conflit entre les « anciens » (PlékhanovAkselrodZassoulitch) et les « jeunes » (Lénine, Martovet Potressov).
Durant l'été 1903, au deuxième congrès du POSDR à Londres, qui voit la scission entrebolchéviques et menchéviques, Trotski soutient d'abord ardemment Lénine. Cependant, la proposition par Lénine d'un nouveau comité de rédaction (Plékhanov, Lénine, Martov ; seraient exclus Akselrod et Zasoulitch) pousse Trotski à se rallier aux menchéviques6. En septembre 1904, quand les positions des deux groupes divergent fortement, Trotski rompt avec les menchéviques et se rapproche de Parvus, séduit par son ambition de réunifier le parti et sa théorie de « révolution permanente » : analysant la situation dans les pays « arriérés » comme la Russie, il pronostique l'impossibilité d'une révolution « bourgeoise » apportant un régime démocratique et liquidant le féodalisme. Pour lui, la faiblesse de la bourgeoisie russe ne lui permettrait pas d'effectuer ces tâches et d'instaurer le capitalisme, et c'est la classe ouvrière qui devrait prendre en main la destinée du pays pour passer directement du féodalisme au socialisme, sans passer par le capitalisme. Dans le même temps, Trotski garde ses distances vis-à-vis de Lénine, lui reprochant ses méthodes autoritaires et son attitude, qu'il qualifie de « jacobine »7. Il conserve cette position intermédiaire mais isolée durant treize années, cherchant à fusionner les deux courants de la social-démocratie. Ce n'est qu'après la révolution de Février 1917 qu'il adhère au parti bolchevik et affirme que sa position conciliatrice d'alors était erronée.
En 1903 également, à Paris, Trotski épouse Natalia Sedova (russe : Наталья Седова8) mais le mariage n'est pas enregistré, puisque Trotski n'a pas divorcé d'Aleksandra Sokolovskaïa.
En 1905, Trotski rentre illégalement en Russie.

Président du soviet de Saint-Pétersbourg en 1905[modifier | modifier le code]

En 1905, lors de la première révolution russe, il devient, à l'âge de 26 ans, vice-président puis président du soviet de Saint-Pétersbourg, soviet composé en majorité demencheviks. Au cours de la répression de la révolution de 1905, en 1907, il est condamné avec quinze autres personnes à la déportation à perpétuité en Sibérie et déchu de ses droits civiques. Cependant, Trotski s'évade durant le voyage vers Obdorsk (actuellement Salékhard) et entame alors son second exil.

Nouvel exil[modifier | modifier le code]

Fondateur du journal Pravda en 1912 à Vienne, où il fait par ailleurs connaissance avecAdolf Joffé, il se pose en défenseur de l'unité de l'ensemble des sociaux-démocrates, toutes tendances confondues, y compris les plus radicales. Cela lui vaut de vives tensions avec Lénine. Il organise, en août de la même année, une conférence pour l'unification, en réponse à la conférence de Prague ; mais les bolcheviks refusent d'y participer. Trotski quitte le « bloc d'août » peu de temps après.

La Première Guerre mondiale[modifier | modifier le code]

Trotski et sa fille Nina, en 1915.
Au début de la Première Guerre mondiale, alors que la grande majorité des partis sociaux-démocrates de la IIe Internationale succombent au nationalisme et soutiennent leurs gouvernements respectifs dans la guerre (vote des crédits de guerre, et parfois participation gouvernementale), Trotski fait partie des socialistes qui continuent à dénoncer le caractèreimpérialiste de la guerre, avec entre autresLénine, le parti bolchevik et les mencheviks internationalistes, la tendance de Karl Liebknechtet Rosa Luxemburg dans le SPD en Allemagne (Ligue spartakiste), Pierre Monatte et Alfred Rosmer issus de la CGT ainsi que des minoritaires de la SFIO en France, le Parti socialiste de Serbie, le Sociaal-Democratische Partij des Pays-Bas, et la minorité du Parti social-démocrate d'Autriche autour de Max Adler.
Exilé en France, il travaille un temps pour le quotidien Nache Slovo (« Notre Parole »), dont il est un collaborateur à Paris, tout en étant en relation avec l'organisation interrayons de Saint-Pétersbourg. En mars 1915, il publie l'article « Le septième régiment d'infanterie dans l'épopée belge » dans lequel il prend parti pour la Belgique victime de l'agression allemande d'août 1914 à travers les vicissitudes d'un étudiant en droit engagé volontaire qu'il décrit à travers les malheurs de la population envahie et les duretés des combats9,10[réf. insuffisante].
Le , à l'initiative du socialiste suisse Grimm, se tient à Zimmerwald une conférence socialiste internationale contre la guerre, à laquelle participe Trotski et dont il est chargé de rédiger le manifeste. Avec celle de Kienthal qui se tient en 1916, Trotski contribue au rassemblement de ceux qu'on appelle alors les internationalistes ou Zimmerwaldiens et qui formeront pour la plupart en 1919 la IIIe Internationale, dite aussiInternationale communiste. Cependant, le leader socialiste belge Émile Vandervelde, président du P.O.B. (parti ouvrier belge), déclare son hostilité à toute entente tant que des soldats allemands camperont dans des maisons d'ouvriers belges.
Arrêté, puis expulsé de France en septembre 1916, il est conduit à Irun, en Espagne. Là, il est arrêté par la police espagnole et embarqué de force avec sa famille pour les États-Unis. Installé à New York à partir de janvier 1917, il contribue au journal Novy Mir(« Nouveau Monde »).

Révolution russe de 1917[modifier | modifier le code]

Léon Trotski arrivant en train à Petrograd en mai 1917.

Trotski avec Lénine et des soldats àPetrograd en 1921.
Après la révolution de Février 1917, Trotski décide de retourner en Russie en mai 1917. D'après Jennings C. Wise, ce serait grâce à l'aide du président américainWoodrow Wilson11, qu'il obtient un passeport américain12, qui lui permet d'arriver en Russie. Il est d'accord avec les « thèses d'avril » de Lénine, qu'il considère comme un signal de ralliement à ses propres idées de « révolution permanente ». Il a alors abandonné l'espoir de parvenir à une union générale de tous les courants, mais continue cependant à travailler sur la fusion de l'organisation interrayons et des bolcheviks.
Lorsque le congrès d'unification a lieu, en août 1917, il est arrêté et emprisonné par le gouvernement provisoire. Malgré sa détention, il est élu au Comité central par le congrès. Libéré à la suite du putsch avorté dugénéral Kornilov, il devient président du soviet dePetrograd en septembre et du Comité militaire révolutionnaire en octobre, devenant l'un des principaux dirigeants bolcheviks de la révolution d'Octobre. Il réorganise l'Armée rouge, qu'il a fondée le , en instaurant laconscription en pleine attaque des pays occidentaux sur le territoire russe.
La nuit du 11 au , en période deGuerre civile russe et d'offensive des Armées blanches, une action dirigée contre les anarchistes russes (qualifiés d'« anarcho-bandits ») par le pouvoir bolchévique dont Trotski s'occupe personnellement lui fera dire : « Enfin, le pouvoir soviétique débarrasse, avec un balai de fer, la Russie de l'anarchisme13 ! »
Le 4 juin 1919, l'ordre no 1824 du Conseil révolutionnaire militaire de la République, signé de la main de Trotski (ainsi que de Vatzétis, Aratoff et Kochkareff), déclenche ouvertement les hostilités à l'égard des insurgés makhnovistes. Leurs congrès y sont interdits et leurs participants menacés d'arrestation pour faits de haute trahison. Cet ordre fait suite à un télégramme de Dybenko qualifiant le IIIe congrès de la région libre deGoulaï Polié de « contre-révolutionnaire » et s'inscrit dans une vaste campagne de propagande bolchevique consistant à discréditer les combattants de la Makhnovtchina. Trotski lui-même, dans le numéro 51 de son journal En route, écrit un violent article contre la Makhnovtchina14, dans lequel il accuse le mouvement de n'être qu'une révolte camouflée de riches fermiers (koulaks). Ces attaques sont le prélude d'une lourde offensive de l'armée rouge contre les insurgés ukrainiens15. Les troupes de Trotski finiront par anéantir les makhnovistes, affaiblis par les assauts répétés des Armées blanches de Wrangel, dans le courant de l'année 1921 et fusilleront un grand nombre de paysans de la région pour avoir soutenu l'insurrection.
Il occupe ensuite le poste de commissaire du peuple aux affaires étrangères jusqu'en1918, duquel il démissionne après avoir signé les accords de Brest-Litovsk.
Il devient ensuite commissaire à la guerre de 1918 à 1925, durant la guerre civile. Il organise les opérations militaires et intervient sur tous les fronts à bord de son train blindé. En parallèle, il fait partie du Politburo de 1919 à 1927.
En 1920 (notamment lors du IXe congrès du parti), afin de pallier la situation économique catastrophique de l'URSS, Trotski propose la militarisation provisoire du travail : selon lui, cette mesure était rendue nécessaire par le contexte de la guerre civile et de la révolution mondiale. Il posait déjà cette alternative en 1917 : « Ou bien la Révolution russe soulèvera le tourbillon de la lutte en Occident, ou bien les capitalistes de tous les pays étoufferont notre révolution16.» Dans cette vision, toute grève est considérée comme une désertion, et toute revendication est considérée comme une insubordination.
En mars 1921, il ordonne l'assaut de la citadelle insurgée de Kronstadt.

Violence politique et théorisation de l'usage de la Terreur[modifier | modifier le code]

Affiche de propagande antibolchevique des Armées blanches : Trotski en diable rouge
L'usage de la Terreur comme système de gouvernement, après le coup d'état des bolchéviques, est légitimé par Trotski, la violence étant nécessaire pour « terrifier l'adversaire17 ».
Trotski est probablement le bolchévique allant le plus loin dans la théorisation et la justification de la violence politique et de la Terreur18. Il expose notamment ses vues dans son livre Terrorisme et communisme19.
Durant la guerre civile russe, Trotski était parmi les dirigeants bolchéviques les plus prompts à utiliser la violence politique et la terreur, comme à les justifier au nom de la lutte pour la victoire de la révolution20. Son contemporain Boris Souvarine estimait ainsi que « Trotski était persuadé que toute difficulté, toute résistance pouvaient être surmontées par ce seul mot : “fusiller !”21. »
Trotski est à l'origine d'un appareil de répression inédit en Russie tsariste, le camp de concentration22. Le , Trotski ordonne la création des deux premiers camps en Russie, à Mourom et à Arzamas, destinés aux « agitateurs louches, officiers contre-révolutionnaires, saboteurs, parasites, spéculateurs22. » Il n'est toutefois pas seul dirigeant bolchévique à avoir cette conception de la violence politique, Lénine enjoignant dès le lendemain d'« enferme[r] les koulaks, les popes, les gardes blancs et autres éléments douteux dans un camp de concentration22. » Il fait ainsi partie des dirigeants communistes qui ont engendré ce qui allait devenir le Goulag, qui sera utilisé dans des proportions bien plus massives par Staline durant son règne, bien qu'il ne l'ait pas initié22.
Michael Heller et Aleksandr Nekrich, auteurs de L'utopie au pouvoir. Histoire de l'URSS de 1917 à nos jours considèrent ainsi que les divergences entre Trotski, Staline et Lénine sont sur le fond infimes ; les querelles de personnes les ayant opposés ne pouvant cacher la profonde unité de leurs conceptions politiques, et partant, de l'histoire soviétique sous ces différents dirigeants23.

Déclin de Lénine et luttes pour le pouvoir[modifier | modifier le code]

Partisan de la ligne dure[modifier | modifier le code]

Trotski s'affiche comme tenant de la « démocratie » dans le Parti et Isaac Deutscher24,25[réf. insuffisante], son disciple et hagiographe le déifie en le présentant comme « l'épitomé de la noblesse bolchevique ». Il se montre impitoyable aussi bien avec ses adversaires (hommes, femmes et enfants) qu'avec ceux de son bord : les « lâches » sont décimés[réf. souhaitée]. Trotski est partisan de la ligne la plus dure. Il met en place la conscription du travail, détruit les syndicats indépendants et réprime avec sauvagerie les soulèvements. Il s'apprête à utiliser des gaz toxiques contre les mutins de Cronstadt, lorsque la révolte est écrasée26[réf. insuffisante].
Se voulant aux avant-postes de l'action, au service du seul Parti, Trotski fait preuve d'un « relativisme moral de la plus dangereuse espèce jusqu'à son dernier jour27 ». Il écrit dans son dernier ouvrage, publié à titre posthume, Leur morale et la nôtre : « les problèmes de morale révolutionnaire ne font qu'un avec les problèmes de stratégie et de tactique révolutionnaires ».
Ses disciples partagent cette conception d'un code éthique défini de manière pragmatique, et non selon une morale objective.

Maladresses dans les rivalités de fin de règne[modifier | modifier le code]

Alors que Lénine commence à être frappé d'incapacité, Staline cherche à prendre le pouvoir en se positionnant comme un homme du centre, un modéré[réf. souhaitée]. À sa gauche, trois hommes : Trotski, qui contrôle l'armée, Zinoviev, qui dirige le Parti de Léningrad, et Kamenev, qui gère le Parti de Moscou. À sa droite, Boukharine, celui qui fait figure de principal théoricien. Staline va semer la division entre eux et les détruire tour à tour. Dans cette configuration, Trotski va commettre de nombreuses maladresses qui accroissent le nombre de ses adversaires.
Déjà en 1920 , « Bertrand Russell avait noté le contraste entre la vanité de Trotski et la retenue de Lénine28 » . Trotski méprisait ouvertement ses collègues29 et détestait les intrigues politiques et les corvées avilissantes qu'elles impliquaient. Bien que leader de l'armée, il ne tenta jamais de se servir d'elle et fut loyal au Parti sans chercher à se ménager un clan en son sein. [réf. nécessaire]Trotski - qui dira par la suite qu'il n'en avait pas été informé - n'assiste pas aux funérailles officielles de Lénine[réf. nécessaire], erreur capitale car Staline en fit une restauration d'un rituel dans la vie russe, dont l'absence était ressentie depuis la destruction du trône et de l'autel30[réf. insuffisante].
Trotski professe un antimaçonnisme politique dirigé particulièrement contre la franc-maçonnerie française31. En décembre 1922, dans un long discours au IVe congrès duKomintern, il dénonce l'idéologie de la franc-maçonnerie française, coupable de réunir les ennemis de classe et de vouloir substituer la tolérance à la lutte armée32,33[réf. insuffisante].

Affrontements à propos de la lutte contre la bureaucratie[modifier | modifier le code]

Trotski lors de son assignation à résidence à Alma-Ata, en 1928. Il y chasse.
En 1923Lénine et Trotski, constatant labureaucratisation du régime issu de la révolution, entrent en conflit avec la troïka Zinoviev-Kamenev-Staline34. Dans son livre Cours nouveau, il analyse l'évolution du parti bolchevik et propose des mesures pour limiter la tendance à la bureaucratisation qui se fait jour, en assurant une plus grande démocratie au sein du parti. Selon Trotski, la bureaucratisation du régime est due à la situation particulière de la Russie : la révolution y a vaincu, mais dans un pays arriéré, isolé après l'échec des révolutions, épuisé par la guerre, manquant de tout, une couche bureaucratique s'est constituée sur la base de la ruine du pays.
La mort de Lénine en 1924 permet à la bureaucratie de s'imposer malgré la formation de l'opposition de gauche, dans laquelle Trotski s'allie avec des militants bolcheviks commeTimofeï Sapronov, l'économiste Evgueni PreobrajenskiNikolaï OssinskiVictor Serge,Christian Rakovski, etc.

Mise en accusation du courant trotskiste[modifier | modifier le code]

Le terme « trotskiste » est lancé de manière injurieuse par Grigori Zinoviev et repris parStaline qui pointe la différence entre la « révolution permanente » soutenue par Trotski et son idée propre de « révolution d'un seul pays35. » Durant l'été 1923, alors que Lénineest dans le coma, Staline lance son offensive et fait arrêter par la Guépéou un certain nombre de membres du Parti pour « indiscipline ».
En mai 1924, Staline attaque Trotski lors du XIIIe congrès du Parti en le qualifiant de« léniniste fractionniste36 ».
Fin 1924, Staline, allié avec Lev Kamenev et Zinoviev, érige le trotskisme en « hérésie », réussit avec l'appui du parti à reprendre le contrôle de l'armée et accrédite progressivement l'idée que le rôle de Trotski dans la révolution a été bien moindre que celle qu'il revendique. Son visage commence à être effacé sur les photographies trop révélatrices : Premier exemple stalinien de réécriture de l'histoire37[réf. insuffisante].
Trotski se rapproche alors tactiquement, à partir de 1926, de Zinoviev et de Kamenev dans l'opposition unifiée et dirige avec eux un courant qui s'oppose à Staline. Mais il est trop tard, car ce dernier a déjà mis la main sur les principaux rouages de l'appareil du Parti. Au XVe congrès du Parti, Zinoviev est à son tour mis en cause, aux côtés de Trotski, et le Boukharine est à son tour condamné par le Comité Central.
Finalement, son opposition lui vaut d'être exclu du parti le  et d'être déporté à Alma-Ata (en 1928, Mikhail Bodrov. sous un faux nom, lui sert de coursier clandestin, pour maintenir le lien avec le bureau de l'opposition de Moscou). Staline finit par le faire expulser d'Union soviétique en 1929, pendant que la répression s'abat sur ses partisans. Durant cet exil, il écrit de nombreux ouvrages et continue à militer pour lecommunisme et la révolution internationale. Il crée en 1930 l'opposition de gauche internationale.
Voline militant libertaire et théoricien anarchiste condamné à mort par Trotski avant d'être finalement banni, souligne que Lénine et Trotski n'auraient, selon lui, que préfiguré le stalinisme38.
L'historien Robert Service pense que l'opposition entre Trotski et Staline n'était pas aussi radicale que le prétendent les trotskistes. Leurs divergences concernant l'industrialisation de la Russie ou la conduite à adopter face aux milieux agricoles étaient une affaire d'opportunité plutôt que de principes, Trotski n'ayant jamais rechigné à employer des manières autoritaires en ces domaines39.
Staline souhaite le « socialisme dans un seul pays », afin de rester en « bons termes avec l'Ouest », contrairement à Trotski qui souhaite faire perdurer la révolution et l'exporter[réf. nécessaire].

Expulsé d’URSS[modifier | modifier le code]

En février 1929, Trotski est conduit à Constantinople où il remet aux autorités turques une lettre déclarant qu’il est venu contre son gré, après quelque temps passé dans l’ambassade soviétique il effectue plusieurs déménagements et finit par être placé en résidence surveillée sur l’île de Büyükada de l’archipel des îles des Princes (Prinkipo) au large de Constantinople. Il publie un bulletin mensuel d’opposition en langue russe dès juillet 1929. En avril 1930, il organise une conférence qui déboucha sur la mise en place d’un secrétariat international provisoire de l’opposition communiste. Après quatre années passées en Turquie, il séjourne en France de juillet 1933 à juin 1935, puis expulsé à nouveau, il trouve refuge en Norvège. Son fils Sergueï Sedov, resté en URSS, sera tué au cours des Grandes Purges staliniennes des années 1930, de même que son gendre Platon Ivanovitch Volkov et sa femme Alexandra Sokolovskaïa. La fille de Trotski, Zinaida Volkova, sera autorisée en 1931 à le rejoindre, en emmenant son fils, mais en laissant sa fille derrière elle en URSS. Le petit-fils de Trotski ne reverra sa sœur que plusieurs décennies plus tard, peu de temps avant le décès de cette dernière40.

La création de la Quatrième Internationale[modifier | modifier le code]

Trotski en compagnie de camarades américains à Mexico, peu avant son assassinat, 1940.
Toute sa vie, Léon Trotski continue à défendre les acquis de la révolution russe et l'« État ouvrier » qui en est issu, tout en dénonçant ce qu'il appelle une « monstrueuse dégénérescence bureaucratique »[réf. souhaitée]. Selon lui, la bureaucratie russe est une couche sociale parasitaire qui étouffe le pays en prélevant une part des richesses et dont Staline est le représentant politique et le défenseur.
Devant la montée du fascisme en Italie, puis dunazisme en Allemagne, Trotski préconise la constitution de fronts uniques de la part de toutes les organisations ouvrières, malgré leurs divergences. Il n'est pas écouté et la politique de Staline - le rejet de tout compromis avec les partis non communistes, même les sociaux-démocrates, qualifiés de «social-fascistes»41 - aboutit à l'écrasement de la puissante mouvance communiste allemande. Après 1934, Staline finit par imposer la création de Fronts populaires.
Avec la révolution espagnole, les partisans de l'opposition sont massacrés par milliers. Les procès de Moscou se tiennent en août 1936 et aboutissent à l'exécution des principaux accusés ; il en fut l'un des rares absents. Accompagné par le policier norvégien Jonas Lie, il quitte la Norvège le 19 décembre 1936, pour se réfugier auMexique grâce à l'appui du président mexicain Lazaro Cardenas qui lui offre l'asile politique, où il débarque le 9 janvier 1937. Le 11 janvier, il s'installe avec son épouseNatalia Sedova chez le couple de peintres Diego Rivera et Frida Kahlo dans leur « Maison bleue ». Il a une liaison passionnée avec Frida Kahlo, âgée de 29 ans, qui lui dédie un tableau, Autoportrait dédié à Léon Trotsky. Il se brouillera avec Rivera en mars1939 et s'installe dans une maison proche, calle Viena.
Les travaux de Trotski quant à l'organisation de l'opposition de gauche débouchent sur la création de la IVe Internationale le  avec 25 délégués représentant 11 pays. À son activité militante peut être associée celle de son fils Lev Sedov.

Assassinat[modifier | modifier le code]

Stèle funéraire à Mexico.
Trotski est mortellement blessé le 20 août 1940 à Mexico, dans le quartier de Coyoacán, d'un coup de piolet à l'arrière du crâne par un agent de Staline (Jacques Mornard ou Franck Jacson42, de son vrai nom Ramón Mercader) recruté par Nahum Eitingon43,44. Son meurtrier est arrêté par Joseph Hansen et Charles Cornell, deux militants américains qui lui servaient de gardes du corps et de secrétaires. Cornell est présent au moment du meurtre mais ne réussit pas à l'empêcher. Ramón Mercader sera par la suite remis à la police mexicaine et condamné à vingt ans de réclusion, peine maximale alors en vigueur au Mexique. Il sera décoré de l'ordre de Lénine en Union soviétique. Trois cent mille personnes assistent à l'enterrement de Trotski, y compris des dirigeants politiques de l'État mexicain.
Sachant que les agents de Staline arrivaient pour l'assassiner, il aurait vu sa femme dans le jardin et aurait écrit « La vie est belle »45[Source ?].
Avant de succomber à ses blessures, Trotski peut encore confier : « Dites à nos amis : je suis sûr de la victoire de la IVe Internationale46. »

Hoje temos 11 Blogs, alguns podem ser acessados diretamente nessa página, clicando onde esta escrito, ACESSE CLICANDO ABAIXO, logo depois do Perfil, na margem esquerda. Muito obrigado pela visita.